Deputados condenam ataques a democracia durante a manifestação de 7 de setembro

O deputado estadual Cícero Magalhães (PT) afirmou na sessão desta quarta-feira (8), na Assembleia Legislativa, que o presidente Jair Bolsonaro pensa que pode fazer o que bem entender no seu mandato, sem respeitar as demais instituições.

“Ele é um insano, que não tem a menor capacidade de administrar um país como o Brasil. A cada fala ele passa recibo de insano e ditador que não lê a Constituição Federal e fica falando asneiras”, criticou.

Magalhães disse que os organizadores da manifestação de 7 de setembro esperavam 3 milhões de pessoas na Avenida Paulista e mais de um milhão na Esplanada dos Ministérios em Brasília, mas isso não aconteceu, pois, em São Paulo haviam cerca de 120 mil pessoas e em Brasília muito menos. “Foi uma decepção para eles”, avaliou.

O deputado lembrou que o presidente cometeu vários crimes em seus discursos ontem e isso reforçou o movimento político para ser aberto o processo de impeachment de Bolsonaro. “Eu tenho certeza que mesmo que o Bolsonaro termine o seu mandato no máximo em três meses ele será levado para a cadeia. A sua única preocupação é livrar os filhos e ele mesmo da prisão. Ele é como um ovo de isopor, não tem nada dentro. O presidente não tem nada na cabeça”.

O orador afirmou que os apoiadores de Bolsonaro estão avalizando o aumento do preço dos combustíveis e do gás de cozinha, avalizando a fome e o desemprego, a inflação alta e o aumento do preço dos alimentos. “Quem apoia autoriza ele a pisar na cabeça de todos os brasileiros. É vergonhoso”, pontuou.

Em aparte, a deputada estadual Flora Izabel (PT) afirmou estar espantada com a situação de instabilidade jurídica que o Brasil vive nos últimos três anos, motivada pelas falas do presidente Bolsonaro. “Os discursos dele são uma ameaça de golpe, provocam rancor entre os poderes. E isso ficou claro quando ele trocou os três ministros militares que comandavam o Exército, a Marinha e a Aeronáutica, como que querendo dizer ter o comando das forças armadas na mão”.

Também em aparte, o deputado Evaldo Gomes (Solidariedade) disse que o presidente pregou o golpe militar ao afirma que não obedeceria sentenças de alguns ministros do Supremo Tribunal Federal e que ele tem a intenção de ser absolutista. “O governo perdeu o rumo. Temos inflação alta, desemprego, fome e preços altos do gás, da gasolina e dos alimentos”.


SERENIDADE – O deputado Franzé Silva (PT) parabenizou o governador Ibaneis Rocha, do Distrito Federal, por colocar a Polícia Militar para impedir as sete tentativas de invasão do STF pelos bolsonaristas. “Ele impediu que o Brasil passasse por uma vergonha internacional, como aconteceu nos Estados Unidos quando a Suprema Corte de lá foi invadida”. Hoje, acrescentou Franzé, os bolsonaristas vivem uma quarta-feira de cinzas pelo fracasso das manifestações de 7 de setembro.