Teresa Britto defende apuração de denúncia de uso político de secretaria

A deputada Teresa Britto (PV) cobrou, nesta quinta-feira(21), que o Ministério Público Estadual do Piauí (MPE-PI), o Tribunal de Contas do Estado (TCE) e o Ministério Público Eleitoral (MPE) realizem investigação na Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi) visando apurar denúncias de contratação de servidores com objetivos políticos. Teresa Britto pediu ainda ao Governo do Estado que realize concursos públicos na Sesapi e no Corpo de Bombeiros Militar.

No início do seu discurso, a oradora afirmou que o Piauí vem enfrentando anualmente um grande número de queimadas, inclusive nos meses de inverno, o que tem prejudicado o meio ambiente.

Respondendo à indagação do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Themístocles Filho (MDB), que questionou sobre a ocorrência de queimadas nos meses de inverno, Teresa Britto disse que, neste período, elas são registradas devido a ação humana e não em consequência de fenômenos naturais.

A parlamentar do PV lamentou a ausência do secretário ou de um representante da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Semar) durante audiência pública realizada na Alepi na semana passada para debater o combate às queimadas. Ela cobrou do governador Wellington Dias a realização de concursos para contratação de mil bombeiros militares e a implementação de um plano de prevenção e enfrentamento às queimadas.

Teresa Britto afirmou que atualmente o Corpo de Bombeiros Militar conta com pouco mais de 300 policiais e defendeu a realização de ações educativas pela Secretaria de Meio Ambiente para orientar a população sobre como evitar a ocorrência de queimadas no Estado.

A deputada entende que o governo deve explicar o que está sendo feito com R$ 10 milhões de um fundo criado para equipar e manter o Corpo de Bombeiros Militares e pediu que seja regulamentada a legislação que criou o Corpo de Bombeiros Civis do Piauí.

SAÚDE – Em seguida, Teresa Britto declarou que continua recebendo denúncia sobre a falta de medicamentos nos hospitais piauienses e que tomou conhecimento de que estão sendo contratados servidores na Secretaria Estadual de Saúde ganhando até R$ 5 mil por mês visando garantir apoio político ao titular do órgão.

Teresa Britto disse que a contratação dos servidores deve ser investigada pelos órgãos competentes, como o Ministério Público Estadual, o Tribunal de Contas do Estado, o Ministério Público Eleitoral e a Assembleia Legislativa. “Quem usa recursos públicos da saúde com fins eleitorais é um criminoso”, declarou.