Governo federal estuda revacinar todos os brasileiros em 2022

O ministro substituto da Saúde, Rodrigo Cruz, informou, nesta segunda-feira (4/10), que o governo estuda revacinar toda a população em 2022. No entanto, a pasta avalia quais serão as vacinas usadas e como será feito o processo. “Os estudos apontam, hoje, a necessidade de revacinar a população brasileira”, justificou Cruz.

A ideia é que a pasta termine o planejamento ainda nesta semana. “A mensagem que a gente gostaria de deixar é de tranquilidade, de que o Ministério está trabalhando firme, não faltará orçamento e que não faltarão vacinas “, avaliou o ministro substituto da Saúde.

Cruz informou ainda que a Fiocruz sinalizou à pasta capacidade de produção de até 180 milhões de doses por ano da AstraZeneca, através de IFA nacional. “A gente têm hoje, de concreto, o processo de transferência de tecnologia da AstraZeneca”, adiantou.https://googleads.g.doubleclick.net/pagead/ads?client=ca-pub-9025354445378377&output=html&h=168&slotname=9715058403&adk=274808371&adf=3728470834&pi=t.ma~as.9715058403&w=670&fwrn=4&lmt=1633437679&rafmt=11&tp=site_kit&psa=1&format=670×168&url=https%3A%2F%2Feliaslacerda.com%2Fdestaques%2Fgoverno-federal-estuda-revacinar-todos-os-brasileiros-em-2022%2F&flash=0&wgl=1&uach=WyJXaW5kb3dzIiwiMTAuMC4wIiwieDg2IiwiIiwiOTQuMC40NjA2LjYxIixbXSxudWxsLG51bGwsIjY0Il0.&tt_state=W3siaXNzdWVyT3JpZ2luIjoiaHR0cHM6Ly9hdHRlc3RhdGlvbi5hbmRyb2lkLmNvbSIsInN0YXRlIjo3fV0.&dt=1633437678956&bpp=14&bdt=931&idt=466&shv=r20210929&mjsv=m202109290101&ptt=9&saldr=aa&abxe=1&cookie=ID%3D2667946494d1312f-22243eeb5acb00f5%3AT%3D1633093450%3ART%3D1633093450%3AS%3DALNI_Mbht54DH1KZEgKVWlJwxTwk1Kb9Hw&prev_fmts=0x0%2C1200x280&nras=1&correlator=967610793914&frm=20&pv=1&ga_vid=1632882007.1633093248&ga_sid=1633437679&ga_hid=595499879&ga_fc=0&rplot=4&u_tz=-180&u_his=35&u_h=900&u_w=1440&u_ah=860&u_aw=1440&u_cd=24&u_java=0&u_nplug=5&u_nmime=2&adx=182&ady=1842&biw=1423&bih=757&scr_x=0&scr_y=0&eid=44750344%2C31062944%2C21067496%2C31062930&oid=2&pvsid=3106918563255185&pem=484&ref=https%3A%2F%2Feliaslacerda.com%2F&eae=0&fc=1920&brdim=0%2C0%2C0%2C0%2C1440%2C0%2C1440%2C860%2C1440%2C757&vis=1&rsz=%7C%7ClEbr%7C&abl=CS&pfx=0&fu=128&bc=31&ifi=3&uci=a!3&btvi=1&fsb=1&xpc=UwGa85B8ol&p=https%3A//eliaslacerda.com&dtd=475

O ministro disse ainda que o assunto é discutido em conjunto com o Ministério da Economia. “A gente tem uma proposta de Lei Orçamentária para o ano de 2022. Se a gente fechar um contrato esse ano, seria feito com o orçamento de 2021. Tudo isso está sendo muito conversado com a Economia. A mensagem de tranquilidade é de um compromisso assumido”.

O ministro frisou que “a existência de um registro, quer seja emergencial, quer seja definitivo, custo e efetividade são levados em consideração. Nenhuma oferta é descartada, todas são consideradas, mas as variáveis que a gente leva em consideração são essas”.

Dose de reforço

No mês passado, o Ministério da Saúde aprovou a administração da dose de reforço da vacina contra a Covid-19 em profissionais de saúde. Para este grupo, a indicação é que a fórmula inoculada seja preferencialmente da Pfizer. A aplicação extra deve acontecer a partir de seis meses após o ciclo de imunização ser concluído.

Em agosto, a pasta federal anunciou reforço na imunização para idosos acima de 70 anos e imunossuprimidos.

FONTE:ELIAS LACERDA