Durante o momento pandêmico, a Orquestra de Violões de Teresina (OVT) se reinventou de várias formas para não parar as atividades culturais na capital, principalmente as voltadas para a capacitação de jovens e adultos. Em 2022, a OVT se prepara para, de forma inédita, lançar um documentário, um dvd, um livro e um cd promocional, que contará um pouco sobre a história do violão no Estado do Piauí.

Nesse novo trabalho, Teresina estará em evidência por conta dos investimentos feitos pela gestão municipal e estadual na capacitação de novos violonistas, como também no incentivo que tem dado para manter viva a orquestra, fato que colabora para que a capital seja conhecida por ter músicos renomados e eventos de fama nacional, como é o caso do Festival de Violão de Teresina, que reúne violonistas de todo o Brasil. Todo o material a ser produzido ainda no primeiro semestre deste ano será também utilizado no aprendizado de novos profissionais, colaborando com aqueles que desejam seguir carreira tendo o violão como amigo inseparável.

Para Ravi Cordeiro, membro da Orquestra de Violões de Teresina, a capital piauiense está entre as principais cidades do Brasil que se destacam na valorização do violinista. Ele cita ainda que um dos motivos para esse enriquecimento cultural é o fato da Prefeitura de Teresina estar investindo na formação de novos violonistas.

“Temos aqui em Teresina o Projeto Violões nas Escolas, que é coordenado por Dam Bezerra. Neste projeto, trabalhamos com jovens da periferia, dando oportunidade igualitária para aqueles que desejam aprender a tocar violão, mas que não dispõem de recursos para custear um curso”, conta Ravi Cordeiro.

Novas oportunidades

Segundo Ênio Portela, presidente da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, mais de sete mil teresinenses já foram beneficiados com os projetos de incentivo para a formação de novos violonistas. Segundo o gestor, a ideia é melhorar ainda mais as ofertas de cursos, levando os mesmos para mais comunidades distantes da região central da cidade, inclusive comunidades rurais.

“Estamos conversando com o prefeito Dr. Pessoa para que, em 2022, esses projetos cheguem de forma justa para todas as regiões da cidade, pois sabemos que, principalmente nos bairros e comunidades rurais mais distantes do Centro, há um grande número de pessoas carentes que não podem sequer pagar por um violão ou custear uma passagem de ônibus para ir assistir uma aula de violão”, comenta Ênio Portela.

A Orquestra de Violões de Teresina é mantida com recursos da gestão municipal, em alguns projetos, conta com incentivos do Sistema de Incentivo Estadual à Cultura – SIEC.