Antonio Neto visita beneficiários do Programa Cisternas na zona rural de Lagoa do Piauí

O prefeito de lagoa do Piauí, Antonio Neto, visitou na manhã desta segunda feira (26) os beneficiários do Programa Nacional de Apoio à Captação de Água de Chuva e outras Tecnologias Sociais (Programa Cisternas). Após a adesão ao programa a cidade já recebeu 25 cisternas que foram distribuídas a famílias de pequenos produtores residentes na zona rural do município.

“As cisternas são um sonho antigo de muitos pequenos produtores de nossa cidade, e hoje, graças e esse importante projeto do governo federal, nós podemos constatar a satisfação e a alegria de muitos deles em verem suas cisternas instaladas e em sua plena capacidade de armazenamento já no início do inverno” afirmou Antonio neto. O prefeito destacou ainda a importância do programa para as famílias dos agricultores durante os períodos de estiagem que atingem a região; “numa época em que haja escassez de chuva a presença da cisternas é essencial para que as famílias continuem a usufruir desse bem tão importante que é a agua”, afirmou.

O Programa Cisternas

O Programa Nacional de Apoio à Captação de Água de Chuva e outras Tecnologias Sociais (Programa Cisternas), financiado pelo Ministério do desenvolvimento social desde 2003 instituído pela Lei Nº 12.873/2013 e regulamentado pelo Decreto N° 8.038/2013 , tem como objetivo a promoção do acesso à água para o consumo humano e para a produção de alimentos por meio da implementação de tecnologias sociais simples e de baixo custo.

O público do programa são famílias rurais de baixa renda atingidas pela seca ou falta regular de água, com prioridade para povos e comunidades tradicionais. Para participarem, as famílias devem necessariamente estar inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal.

O semiárido brasileiro é a região prioritária do programa. Para essa região, o programa está voltado à estruturação das famílias para promover a convivência com a escassez de chuva, característica do clima na região, utilizando principalmente a tecnologia de cisternas de placas, reservatórios que armazenam água de chuva para utilização nos oito meses de período mais crítico de estiagem na região.